O IDEALIZADOR E CRIADOR DO PRÊMIO INTERNACIONAL ANTONIO LOPES DE SÁ: PAULO CÉSAR CONSENTINO DOS SANTOS

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Compartilhe este artigo!

Prof. Rodrigo Antonio Chaves da Silva

 

Sófocles dizia que muitas coisas assombrosas existem, mas nenhuma delas é igual ao homem.

É justo dar a César o que é de César em todos os sentidos.

É justo dar homenagem a quem tem mérito, e patrocinar a quem merece, tal qual também fazer odes àqueles que com seu trabalho, souberam tecer reconhecimentos importantes de grandes heróis.

O idealizador e criador do prêmio internacional Antônio Lopes de Sá foi o prof. Paulo César Consentino dos Santos

Por mais que muitos tivessem corroborações de ideias, ele estava à frente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, na época da criação do prêmio, e o professor Sá estava ainda vivo.

Sem dúvida, a liderança, a coordenação, a guia, a inicial colocação, foi a do mestre Consentino. Não podemos negar isso. Temos que reconhecer. É o prêmio no Brasil com intenções e objetos absolutamente justos e adequados. Fazer menção ao maior cientista de todos os tempos que se passou em Minas, no Brasil e no mundo, no setor da Contabilidade.

Ele – o mestre Paulo – bem sabia do valor que tinha o mestre Lopes de Sá para a cultura brasileira, e para a cultura geral, não apenas de Contabilidade, mas de outros setores filosóficos.

Eu estive lá, tinha uns 20 e poucos anos, no momento da convenção que falou para todos nós no púlpito indicando os roteiros da fomentação do prêmio. As perseguições que apareceram por fazê-lo, e a coragem de manter a sua posição. Ele permaneceu firme.

O Dr. Paulo Consentino sempre foi um grande orador, neste dia memorável, com sua voz em tônica pausada, soube muito bem conceder à plateia, as razões do prêmio, e a sua finalidade (exposição esta, que muitos outros presidentes, de diversos conselhos, devido às falhas de oratória não conseguem fazer por desconexão de argumentos).

Na ocasião, expunha as suas convicções e a certeza de fazer ou ter feito algo justo para a nossa ciência, inclusive em homenagem ao que o mestre mineiro fez à Contabilidade.

Ele assumiu pois um papel verdadeiro, embora muitos presidentes de conselho não tenham a visão de valorar os ideais humanos de nossa literatura em muitos Estados, e quando o fazem é com o interesse meramente financeiro ou pessoal de promoção deles.

O mestre Consentino na ocasião da inauguração do prêmio, me parece que era o ano de 2008, dignamente bem se expressou na frente do mestre Sá, a relevação do seu valor como cientista.

Muitos não queriam isso. A nossa classe ainda não é unida.

O Brasil tem sido formado por invejosos que estão à frente de nossas instituições de classe, e que só pensam em dinheiro, diárias, poder, e status. Infelizmente, muitas vezes eles agem fazendo tudo aquilo que um profissional não pode fazer. Falta a ética em muitos conselheiros. Nós que estamos à frente temos que dar o exemplo. Todavia, factualmente, isso nem sempre acontece.

A liderança do Paulo Consentino, foi sem dúvida, a melhor dos últimos tempos no conselho mineiro.

Quando saiu abrindo as portas do conselho para outras lideranças, embora a sua fosse impecável e até hoje não repetida, ele disse que no momento da criação do prêmio, que o que ouvia dizer era que a comenda não sairia da primeira edição.

Hoje, o prêmio Lopes de Sá é um sucesso a nível internacional, com diversas edições.

Todos do mundo, especialmente os de fora do Brasil, dão um valor a obra do mestre de modo ímpar, porque realmente ele era uma personalidade doutrinal e cultural de raro valor.

No Brasil ESPECIALMENTE OS MEDÍOCRES, ANALFABETOS CULTURAIS, E PORTADORES DE PAPEL INÚTIL são os que mais detestam um intelectual do cariz do mestre LOPES DE SÁ. O Brasil é o campeão em matéria de ocultação de gênios. Por que não fariam isso com um homem da marca do professor mineiro?

Lopes de Sá foi até indicado para o Nobel da Economia. Teve outro no Brasil indicado? Se teve foram poucos. Isso ninguém lembra.

Então o que dizer deste mestre? E o que podemos agradecer e exaltar da postura do Paulo frente a outros colegas que infelizmente não queriam a evolução da valorização de nossa cultura, e devida deferência ao mestre Lopes Sá?

As dificuldades de sua ideia, e de se firmá-la colocando pulso forte na premiação internacional, com o nome do mestre, foi seguida por todos, mas infelizmente por muitos não credível até hoje, pelo fato de um intelectual no Brasil ter autênticos inimigos.

Que país vai para a frente onde se ojeriza os verdadeiros intelectuais, e se exalta os falsos e medíocres. Já pessoas amantes do deboche que mal sabem ler, falam coisa com coisa, fazendo críticas indevidas a personalidades científicas, sendo que vivem da fraude e da morcegagem com os outros. Os parasitas da educação. São pedantes com a política e o poder na mão. Por tal ficam com mais raiva ainda, ao ver alguém com méritos desfilar muito bem no campo científico e técnico.

Por isso eu bato palmas para o contador Paulo Consentino, e orgulho de ser amigo dele, pela sua coragem e força no apoio REAL da classe e dos NOMES que devem ter o seu devido posto.

O Paulo sempre pensou com sinceridade em fazer as coisas certas, depois conhecendo-o eu vi que era um dos poucos profissionais que poderíamos confiar, por ser uma pessoa ética e com Deus no coração.

Sabemos que ele faz parte da política do conselho, demos valor aos que realmente merecem ter a nosso apoio à frente do instituto de nossa classe, o valor adequado e justo, e o nosso apoio ostensivo ao nobre contador e amigo Paulo Consentino dos Santos.