NOME SUJO E NOME LIMPO

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Compartilhe este artigo!

Prof. Rodrigo Antonio Chaves da Silva

 

Havia, numa cidade do interior do Brasil, duas pessoas, uma não era candidata e era um nome limpo, e a outra era candidata e tinha o nome sujo. O problema que os dois se nominavam assim pela população: “nome limpo” e “nome sujo”.

O “nome sujo” perdia toda a eleição, depois de uma série de fatos de corrupção, embora tenha ganhado algumas vezes, roubou demais. Mas estava muito manjado na cidade. Ninguém confiava mais nele.

Aconteceu uma campanha política. Então nome sujo resolveu fazer uma estratégia maligna: “eu não ganho de maneira alguma, vou convencer ao nome limpo a fazer alguma coisa a meu favor. Ou ser depois candidato. Assim eu pego o poder, e quando ele ganhar quem manda sou eu!”. E ficou determinado o seu plano maligno, sabendo que faria toda as falcatruas usando o nome limpo.

O nome limpo, então, estava em sua oficina trabalhando, quando chega o nome sujo:

____Nome limpo como você está?

____Vou bem graças a Deus!

____Uai!… Você gosta de Deus? Graças a você, a Deus não!

____Sim. Eu amo a Deus. Ele quem me pôs no mundo. Pra mim é graças a Deus!

____Você acredita em fantasias (disse o nome sujo), neste mundo o que existe é o que nós fazemos. Olhe o mundo como está, veja o problema do desequilíbrio social. Nós temos que resolver isso.

____O mal no mundo existe por causa do pecado, seja ele privado ou público. Portanto, é por causa muitas vezes do homem, eu não tenho como resolver isso. Vamos rezar…

 

Imediatamente nome sujo o interrompe.

____Quer rezar o que! Há uma forma de se resolver e muito bem isso. Bastaria que nós juntássemos e você me ajudasse a ganhar a política.

____Mas como?! – pergunta nome limpo.

____Ora muito simples. Você faz um trabalho para mim e eu vou lhe pagar o trabalho.

____Mas aí você vai querer usar o meu nome?

____Não! Eu estou contratando o seu serviço. Você não é cristão? Desta forma nós vamos ajudar o povo a melhorar. Nós iremos chegar em pontos altos de visão social; escuta só. Vamos acabar com a pobreza!

Foi dito e feito, com a ideia que o mundo seria melhor, o nome limpo fez um trabalho social, e não percebera inteiramente que estava sendo instrumentalizado pelo nome sujo, que há havia pecado várias vezes em matéria pública e estava manjado. Neste interim, a luta foi grande e grossa. Com esta posição, nome limpo sai do serviço, e nome sujo ganha a política.

O resultado não foi bom, porque nome sujo continuou roubando, teve processos novos além dos antigos, o povo não gostou dele, e ficou manchando publicamente, sabendo que nem para vereador poderia ganhar.

Aí, então, nome sujo vendo que não poderia ganhar como prefeito, resolveu usar o nome limpo para a estratégia maligna. Pensava: “se eu juntar com toda esta gente, que é da minha laia, não vou ganhar, só tem uma alternativa: o nome limpo. Assim eu termino o meu plano. Usarei ele, e não um serviço dele!”.

Raciocinava muito malignamente: “nome limpo tem muitos seguidores e é homem honesto, eu vou utilizar ele mais uma vez”.

Nome limpo sabia que tinha sido usado naquele serviço, sob a convenção de ajudar ao povo. Uma vez mais elegeu um prefeito que foi nome sujo, mas pensava que poderia agir de outra forma, ou utiliza de seu talento para ajudar o próximo de outra maneira. Sem política. Todavia, ainda não tinha a maldade que apresentava o nome sujo.

Com idéias satânicas, vai nome sujo na marcenaria do nome limpo. Chega lá, começa a jogar uma conversa:

____Nome limpo você já passou da hora de ser candidato, não a vereador, mas a prefeito.

____Nome sujo eu não gosto de política, a minha vida se pautou em coisas práticas, no meu serviço, veja este móvel que estou para entregar.

____Isso não faz você um cristão!

____Como é?

____Não faz de você um cristão! Você acha que ficar aí ganhando dinheiro? Você só pensa em lucro!

____E na política o senhor quer o que? Ganhar de graça?

____Não é isso… Na política você pode fazer mais pelo semelhante.

____Como?

____Você consegue investir dinheiro na saúde, na educação, em cultura… Você pode favorecer a muita gente e beneficiar ao próximo, cumprindo o mandamento de Jesus: “ama o teu próximo como a ti mesmo”. Lá você poderá fazer feliz muita gente. E neste intervalo de tempo conseguirá favorecimentos de Deus.

____Ah… Não quero mexer com isso não!

____Mas você não é cristão?

____Sou.

____Então? Você tem que fazer algo para alguém, não pode ficar só rezando!

____Mas eu não sei mexer com política.

____Ah, mas é claro! Por isso eu estou aqui, eu vou te ensinar!

Então Nome sujo percebeu uma forma de persuadir a nome limpo de maneira muito mais sutil. Vendo que a retórica cristã não funcionara totalmente, porque ele era ateu e não conseguia convencer ao católico, resolveu, logo, produzir um outro tipo de visão que seria a da caridade. Usando a virtude e tirando ela do evangelho cristão. Claro que de forma mentirosa. Ele consegue então achar uma brecha para conseguir colocar o nome limpo na jogada.

No fundo, nome sujo está processado, não pode ser candidato a prefeito, tem rabo preso, e não pode favorecer a sua ideologia satânica. Ele adora a Lúcifer, mencionando o seu nome várias vezes, mas não adora a Jesus. Mas viu no Evangelho santo uma forma de enganar a nome limpo, e fazer com que ele possa se favorecer de maneira a beneficiar suas ideias malignas, sob a retórica do amor. Assim nome sujo vai subir na cacunda de nome limpo para favorecer ao roubo, e ainda, as tragédias sociais.

Nome sujo então lança o nome limpo como candidato a prefeito:

_____Povo da terra mineira, não adianta vocês escolherem outro candidato: aqui nós temos o nome limpo como promessa de campanha.

A população arregala o olho.

____Se vocês votarem no nome limpo, vocês terão educação, saúde, cultura, e saneamento básico de qualidade!

O povo aplaude.

____Nome limpo é da nossa cidade, ele consegue fazer prevalecer igualmente o posicionamento de uma qualidade voltada ao Evangelho. Ele é um homem da Igreja.

O povo então começa a ovacionar.

No fundo o nome sujo foi muito inteligente, ele não conseguiria ser candidato e não poderia apresentar outra pessoa para ser eleita, então, apresenta nome limpo como matéria de parasitismo.

O problema não é apenas eleger o nome limpo, mas fazer com que os nomes que estão ligados ao nome sujo sejam colocados na prefeitura.

Nome sujo começa a fazer a campanha a favor do nome limpo: “Olha é um homem da Igreja, lá vocês verão ele rezando… Vale a pena votar nele! É uma pessoa impar da nossa comunidade. Não pensem vocês que não fará um bom mandato porque fará”.

A população logo acredita, não por causa do nome sujo que já está manjado na sociedade, mas por causa do nome limpo.

O partido do nome sujo já foi considerado quadrilha pelo Ministério Público, ao mesmo tempo, foi processado várias vezes pela justiça, e as práticas da turminha de nome sujo não eram outras que não interesses próprios.

Mas nome sujo não desiste da política. Ele quer ganhar usando alguém como meio de jogatina, e assim o faz claramente.

Nome limpo ganha na política.

Lá atrás vai o nome sujo inteirar o seu apoio e solicitar que use da prefeitura com certos fins. Nome limpo não aceita. Então nome sujo começa a dizer:

____Nome limpo eu que apoiei a sua candidatura, você não é cristão? Portanto, você é obrigado a pagar os seus devedores, e eu sou um deles. Terá que fazer o que eu mandar.

O fim da história parece que você já sabe. Nome limpo ou vai ser morto, ou vai renunciar, ou vai ficar na prefeitura fazendo o que não deve até ser chamado de nome sujo, ou ao menos o nome sujo vai sujar ele completamente.

Nome limpo foi só um joguete para o nome sujo.

Sabe-se que nome limpo é mais esperto que nome sujo, antes de fazer qualquer coisa ele vai buscar outros nomes limpos para o ajudarem. No fim das contas nome limpo sairá vitorioso desta história. Agora se fossemos observar o andar da carruagem, que nós já conhecemos no Brasil, a história foi/será bem diferente.

Por fim, mesmo não sendo sujo, nome limpo se torna sujo.

E no fim das contas, temos dois nomes sujos para contar a história.