A EXPLICAÇÃO DE UM DOUTOR EM FILOSOFIA – SOBRE A ESCOLA CRÍTICA

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Compartilhe este artigo!

Rodrigo Antonio Chaves da Silva

Menção honrosa no Prêmio Rogério Fernandes Ferreira

 

 

O doutor é aquele formado na Universidade, ou acadêmico, que teria em tese a máxima distinção lógica, isto é, a CAPACIDADE DE DIFERENCIAR para bem AFIRMAR.

Por isso faz uma tese, porque esta é a qualidade máxima de se afirmar, ou se usar o princípio da IDENTIDADE.

Tendo o domínio da lógica, um doutor terá consequentemente, a capacidade de utilizar e muito bem o PRINCÍPIO DA IDENTIDADE.

Mas, há doutores com tal grau de diploma, obstante desconheçam o principal princípio da lógica, fazendo totais confusões em termos conceituais.

Veja o caso desse doutor em filosofia, especialista em MARXISMO.

Com milhares de seguidores na internet foi tentar refutar uma tese sobre a igualdade da escola crítica e o marxismo (na verdade um é efeito do outro, a escola crítica é um produto da doutrina marxista, e uma das principais observações é da filosofia da destruição, que é o nível alto da negação, ou mesmo a generalização infinita da crítica).

Vejamos à explicação dele em tons gerais:

 

“Quando você pega um objeto não para mostrá-lo, mas para dizer que ele não serve (?), essa posição é negativa” (pegar um objeto sem mostra-lo? Ou vê-lo? É negativo?).

 

Vejamos outra: “Quando digo isto é uma xícara, e digo que não é (?) eu critico o objeto concreto, estou no campo negativo” (física?)

Mais uma: “Por que teoria crítica? Porque há uma contradição (? – a teoria crítica tem contradição?), porque vem de Theos, é uma manifestação do divino (?)” (ele é ateu)”.

Agora as outras:

 

“Porque se criou uma teoria crítica, uma voz verdadeira, porém não se querendo isso” (o que?)

“Uma verdade que se nega” (HÃ?)

“Tem a função de negar a si mesma (a verdade se nega e tem negação em si mesma, então não é verdade) para criar a imaginação (?), e a indignação (?)”

“Uma teoria que conta uma verdade (ou mentira?), e conta os instrumentos que negam esta verdade na mesma verdade (uai, é verdade ou mentira? Elementos que negam a verdade nela mesma, mesmo sendo verdade?).

 

 

Na salada de frutas que tenta negar o marxismo cultural, ele acaba afirmando que os membros da escola de Frankfurt eram marxistas… Logo, é uma escola de influência cultural e marxista, como não há o marxismo cultural então?

Quem é o camarada? Deixemos em segredo, mesmo aplaudido pelos seus alunos e seguidores, só de vermos a sua “explicação”, percebemos que o nível dele é de confusão e não de domínio da distinção.

Em suma, infelizmente, é mais um analfabeto funcional de diploma, que entra na estatística da nossa degradação cultural atual.

Reflitamos hoje o que é um diploma de mestrado e doutorado neste nível, que não há diferenças muitas em solo nacional, ou seja, esta realidade não se modificou muito não entre as maiores Universidades (uma das quais ele pertence), está, infelizmente, bastante atualizada, para a nossa tristeza e para a sorte da degradação cultural.